Publicada em: 13/11/2019 14:45

Relações Internacionais e Mercado Verde são temas de sessões no 1° Encontro de Bioeconomia

Com a participação de diversos representantes no âmbito nacional e internacional, nesta terça-feira(12), do 1º Encontro de Bioeconomia e Sociodiversidade, realizado na escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas(ESA/UEA), continuou com a terceira sessão de debates com o tema "Relações Internacionais na Bioeconomia". A coordenadora do GreenRio, Maria Beatriz, abriu as discussões mencionando as parcerias realizadas com a UEA e enfatizando a necessidade de trazer pautas positivas para o território Amazônico.

Na ocasião, foi apresentado o programa DeveloPPP, implantado na Alemanha, que visa proporcionar investimentos em cadeias produtivas sustentáveis. Frank Kraemer, representante internacional da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável (GIZ), conta que é necessário haver uma convergência de vontades para que haja maior interesse das organizações em promover parcerias. A avaliação positiva da aplicação do programa na Alemanha fortalece as expectativas de sucesso se o mesmo for implantado no Brasil.

"O Programa DeveloPPP é um forte instrumento para incentivar o investimento do setor privado nas cadeias produtivas sustentáveis", enfatiza Kraemer.

Representando o Ministério da Agricultura, o Diretor do Departamento de Estruturação Produtiva, Avay Miranda, ressalta o interesse do Ministério, sobretudo da Ministra Tereza Cristina, no relacionamento internacional para fomentar a colaboração e desenvolvimento da Bioeconomia brasileira. "Devemos trazer produtos de cooperação internacional para o conhecimentos de todos no território brasileiro.", avalia Miranda.

Compondo a mesa de honra, o assessor da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), Rodrigo Costa, falou sobre as atribuições da empresa e a valorização da agricultura familiar, bem como o presidente do Conselho Empresarial da América Latina (CEAL) que criticou a não utilização de medidores para os gastos com os sistemas bio sustentáveis no Brasil.

Mercado Verde
Dando continuidade a programação do evento, a sessão de debates contou com a presença do indígena João Paulo, representando os interesses da comunidade em receber recursos para o desenvolvimento de pesquisas na ótica dos povos tradicionais, uma vez que já receberam a assistência acadêmica para o manejo de tecnologias ocidentais.

"Não queremos ser apenas informantes, queremos ser sujeitos de pesquisas. A UEA já proporciona a assistência universitária e adquirimos o conhecimento necessário para desenvolvermos nossas pesquisas, mas agora precisamos de recursos para que possamos sozinhos, com nosso conhecimento ancestral da floresta, fazer pesquisas que estejam ligadas às nossas tradições milenares.", enfatiza Paulo.

O dever de proporcionar condições favoráveis para que empresas invistam na região foi um dos temas abordados pelo Gerente de Suprimentos da Natura, Mauro Costa, que vê no território uma fonte de matérias primas para os produtos cosméticos como os que são utilizados na produção da linha "Ekos", uma das mais populares da empresa. "A Natura acredita que a agregação de valor aos produtos naturais é o que vai valorizar e manter a floresta em pé.", assegura Costa.

Na área acadêmica, representando o Centro Agronômico Tropical de Pesquisa e Ensino Superior da Costa Rica(CATIE), Lorena Román falou sobre a capacitação que é realizada pelos países com o objetivo de de proporcionar a entrada de mais atores nas cadeias de valor agropecuárias. O Centro ainda realiza cursos de acordo com a necessidade do local em que estão atuando com focos mais específicos nas questões ambientais tratadas no território.

O evento ainda teve a participação do Coordenador Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário da Casa Civil da Presidência da República (SAED), Marco Pavarino, além de representantes de empresas como Fabiana Munhoz da L¿OREAL e Cristiane de Moraes da Symrise.

Texto: Davi Albuquerque/ASCOM UEA

ITENS ASSOCIADOS