Publicada em: 30/09/2021 14:29

CovacManaus 2: nova pesquisa avaliará terceira dose com vacina AstraZeneca no Amazonas

O Amazonas inicia nesta sexta-feira (1°/10) a CovacManaus 2, uma nova pesquisa que avaliará a reposta imune à aplicação de dose de reforço contra a Covid-19 com o imunizante AstraZeneca. Podem receber a terceira dose da vacina os trabalhadores da educação e da segurança pública de Manaus que foram completamente vacinados pelo estudo CovacManaus e mantiveram acompanhamento regular, conforme o protocolo do projeto.

A pesquisa é conduzida pela médica infectologista da Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) e pró-reitora de pesquisa e pós-graduação da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Maria Paula Mourão, e pelo médico infectologista da FMT-HVD e especialista em saúde pública do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), Marcus Lacerda.

"Até o momento, ainda não há informações robustas acerca da administração da dose de reforço em populações com comorbidades e, após os primeiros seis meses do estudo CovacManaus, temos a oportunidade de avaliar de forma rigorosa a aplicação de uma terceira dose nessa população que já vem sendo acompanhada pela nossa equipe, após receber as duas doses da vacina CoronaVac", explica Maria Paula.

O Governo do Estado, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), investiu R$ 1 milhão na pesquisa, que também conta financiamento das empresas XP Investimentos e Stone Pagamentos, além de parceria da Fundação de Vigilância em Saúde Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS/RCP) e da Secretaria Municipal de Saúde de Manaus (Semsa).

Intercambialidade de vacinas - Quando as vacinas contra a Covid-19 foram desenvolvidas, de forma geral, o objetivo era que os indivíduos realizassem o seu esquema vacinal com um único imunizante. Entretanto, alguns estudos recentes já apontam resposta imunológica significativa com dose de reforço feita com vacinas diferentes.

No CovacManaus 2, os participantes da pesquisa, que anteriormente foram vacinados com duas doses da vacina CoronaVac pelo CovacManaus, receberão reforço vacinal com a AstraZeneca. As doses de vacina utilizadas no estudo foram doadas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), produtora do imunizante no Brasil.

"Existe um interesse global significativo na vacinação contra Covid-19 aplicando a dose de reforço com uma vacina distinta. A ciência continua buscando mais dados sobre a duração da resposta imune contra a Covid-19 e se essa resposta pode ser potencializada por duas vacinas diferentes. Além disso, a intercambialidade de imunizantes pode mitigar problemas de escassez de vacinas ou possíveis falhas nas distribuições, evitando o atraso do esquema vacinal da população", explica Maria Paula.

Participantes da pesquisa - Podem participar do estudo os trabalhadores da educação e da segurança pública de Manaus que receberam as duas doses da vacina CoronaVac pelo estudo CovacManaus, e que mantiveram o acompanhamento previsto pela pesquisa. A participação no CovacManaus 2 é voluntária.

"Um dos grandes diferenciais desse novo estudo é a extensa base de dados sobre a vacinação de mais de 5 mil pessoas, que vem sendo coletada sistematicamente nos últimos seis meses. Para participar do Covac 2 é imprescindível que o voluntário tenha mantido o acompanhamento e contato regular com a nossa equipe", salienta a pesquisadora.

Os indivíduos que estiverem aptos a ingressar no novo estudo receberão contato do call center do CovacManaus para, caso aceitem realizar a dose de reforço, assinar novo termo de consentimento e agendar a vacinação, que acontecerá na Arena Poliesportiva Amadeu Teixeira, na avenida Constantino Nery, zona centro-sul de Manaus. Não haverá recrutamento de outros públicos.

Mais detalhes do estudo serão divulgados nas redes sociais do grupo de pesquisa (@ipccb), que também conta com ouvidoria presencial, na Arena Amadeu Teixeira, e virtual, através do email ouvidoria.ipccb@gmail.com e do WhatsApp (92) 98409-4046, para dúvidas, sugestões e críticas.

CovacManaus - O estudo CovacManaus iniciou em 18 de março deste ano com o objetivo de avaliar o benefício de se antecipar a vacinação contra a Covid-19 em trabalhadores da educação e da segurança pública de Manaus em exercício, com idade entre 18 e 49 anos, e com comorbidades associadas ao risco de doença grave por Covid-19.

Foram vacinados com a primeira dose de CoronaVac, doadas pelo Instituto Butantan exclusivamente para uso em pesquisa, 5.087 participantes e com a segunda dose, 5.071 participantes.

Após os seis primeiros meses de acompanhamento, os pesquisadores divulgaram os dados preliminares do estudo. Entre os vacinados, 91% apresentaram anticorpos detectáveis após a 1ª dose da vacina e 99,8% dos vacinados apresentaram anticorpos detectáveis após a 2ª dose. Neste período, 2,6% tiveram infecções confirmadas por Covid-19, 0,1% foram hospitalizados pela doença; um óbito foi registrado (0.02%). Entre as principais comorbidades estão a obesidade (72%) e a diabetes (54%). Os dados apresentados serão submetidos à publicação científica.

ITENS ASSOCIADOS